Publicidade

Publicidade

segunda-feira, 30 de abril de 2012

Caminhada em homenagem à Décio Sá acontece nesta terça-feira

Do blog do Neto Ferreira:


Acontece nesta terca-feira, 01, a caminhada realizada por familiares, amigos e leitores do “Blog do Décio Sá”, em homenagem ao jornalista que foi vítima de pistolagem na terça-feira, 23 num bar da Avenida Litorânea, em São Luís.
Outdoor no bairro do Cohafuma.O ato tem por objetivo, pedir justiça e paz, pela indignação da execução ocorrida com o blogueiro.
Em nota encaminhada, os organizadores protestam pelo assassinato do jornalista com os seguintes dizeres. “O corpo da nossa sociedade foi igualmente ferido de morte”, diz a nota em tom de revolta.
A caminhada será iniciada a partir das 10h, e terá como ponto inicial, o Parque da Avenida Litorânea, no Calhau, e terminará no Bar Estrela do Mar, local onde Décio Sá foi morto.
Os amigos e familiares do jornalista contam com a presença de todos nessa caminha.

Detento foge depois de aplicar golpe em Agentes Penitenciários

As vítimas foram os agentes Leonardo Coutinho Pardini Cardoso e Joaquim Silveira que acompanhavam o detento em um atendimento médico, no Hospital São João de Deus, município de Davinópolis, região tocantina. O detento Ademir Fernandes Vieira, conhecido como vô em determinado momento simulou que estava com fome, gentilmente os agentes providenciaram um lanche.

O preso que não estava algemado conseguiu colocar uma substância dentro do refrigerante e ofereceu para os agentes de plantão. Não demorou muito, Joaquim e Leonardo, passaram mal, tiveram que ser internados na unidade de saúde por intoxicação. 

Segundo laudo médico, os agentes ingeriram o medicamento rivotril. O detento conseguiu fugir do hospital. A polícia continua em diligências em toda região com o objetivo de recapturar Ademir Fernandes Vieira, que cumpria pena por assalto e outros crimes. 

Os agentes passam bem. Deve ser aberta uma sindicância para investigar à fuga, agentes e funcionários do hospital devem ser ouvidos sobre o episódio.

domingo, 29 de abril de 2012

Carta Capital: "O blogueiro e a pistolagem"

O ar-condicionado do plenário Nagib Haickel não arrefecia a tensão entre os deputados maranhenses reunidos na sessão de quarta-feira 25. Dedos em riste, levavam para a sala climatizada a temperatura de uma manhã quente e abafada, típica do outono em São Luis. O motivo era a votação de um projeto para batizar uma avenida da cidade com o nome de Jackson Lago, o ex-governador morto no ano passado e que durante anos combateu a família Sarney – um projeto que em qualquer outra parte do mundo seria tema para vereadores, e não deputados.

A aprovação da homenagem seria uma afronta ao padroeiro, representado ali pela base aliada da filha, a governadora Roseana (PMDB), e pelas palavras de sua lavra cravadas na parede frontal do plenário: “Não há democracia sem Parlamento livre – José Sarney”.

Não parecia o mesmo plenário que, um dia antes, levou praticamente toda a Assembleia Legislativa do Maranhão a vociferar contra o ato de barbárie cometido contra Décio Sá, o blogueiro mais conhecido do Maranhão – e, até a noite de segunda-feira 23, um jornalista praticamente intocável.

O crime acontece exatos 15 anos após a morte de um delegado, Stênio Mendonça, que chocou a população maranhense e deu início à CPI do Crime Organizado – e anos depois resultou em prisões e na cassação de deputados maranhenses. Pura ironia: foi durante a cobertura da CPI que Décio e outros jornalistas da mesma geração, formados na metade dos anos 1990 na Universidade Federal do Maranhão, consolidaram o nome da mídia local.

A indignação dos deputados deu espaço, no dia seguinte, à acalorada discussão sobre o nome da avenida. Aquela bolha de ar climatizado a tapear a alta temperatura afora era só o primeiro sinal do descompasso entre a realidade e a política da região.

Uma volta de dez minutos por São Luis é suficiente para perceber que havia assuntos mais urgentes a serem discutidas no plenário: da saída do aeroporto até a avenida Litorânea, onde o jornalista foi alvejado, o índice de desenvolvimento humano oscila como se o veículo circulasse entre o Sudão e a Suécia em poucos minutos.

Fora do belo prédio espelhado da Assembleia, a preocupação não era com os nomes a serem colocados na avenida: era a ação de grupos de extermínio a um estado já assolado pela miséria e insegurança.
O estado emprega um policial para cada grupo de 800 habitantes (a média brasileira é de um para 300). No campo, onde a atuação policial é ainda mais limitada, a situação chega a ser assustadora: nas contas da Comissão Pastoral da Terra, nada menos do que 85 pessoas estão hoje ameaçadas de morte em razão de conflitos agrários em 29 municípios. No estado, 121 pessoas foram assassinadas desde 1985. Até hoje, apenas dois casos foram julgados, e nenhum dos mandantes está preso.

Crimes por encomenda. O caso de Décio se somou a uma série de assassinatos ocorridos desde outubro do ano passado. Naquele mês, um empresário foi morto por reagir a uma tentativa de grilagem de um terreno de sua propriedade numa das áreas mais valorizadas de São Luis. Com um tiro na nuca, foi encontrado enterrado numa cova rasa aberta em seu próprio terreno.

Pouco depois, dois irmãos, empresários de um grupo petroquímico, foram mortos por um motoqueiro que fugiu. Cerca de 15 dias atrás, um suposto traficante conhecido como Rato 8 (em referência aos oito assassinados dos quais era suspeito) morreu numa emboscada montada por homens armados dentro de um carro a cortar a mesma avenida onde Décio seria alvejado.

Outro crime da série foi registrado no município de Buriticupu, onde o líder rural Raimundo Borges foi morto com cinco tiros disparados por um motoqueiro. Em nenhum caso os mandantes ou executores foram presos, embora a polícia garanta que as investigações estejam avançando.

“Isso virou uma prática comum. Agora todos se deram conta da situação porque aconteceu com o Décio, uma pessoa conhecida da cidade”, afirma Diogo Cabral, advogado da CPT e secretário da Comissão de Direitos Humanos da seccional maranhense da Ordem dos Advogados do Brasil.

Dessa vez os tiros acertaram um aliado do grupo que se reveza no poder do estado há pelo menos 40 anos. Décio Sá era notadamente um jornalista alinhado com a família Sarney – à boca pequena, colegas contam que ele era o único jornalista do estado a ter acesso à área VIP de Roseana Sarney na Sapucaí durante o desfile em homenagem a São Luis feito pela escola samba Beija-Flor.

Ex-correspondente da Folha de S.Paulo e depois colunista de O Estado do Maranhão, o diário da família Sarney, Décio colecionava inimigos devido à exposição de uma certa incontinência verbal em seu blog, um dos primeiros do estado. Por causa dele, transformou-se em persona non grata em muitos círculos – que, no Maranhão, se agrupam de forma bem delineada entre os amigos e inimigos dos Sarney.

No ano passado, não ousava aparecer na Assembleia Legislativa, onde policiais em greve acampavam como protesto. De sua trincheira, Décio emendava petardos em direção aos grevistas, que podiam ver o diabo na frente, mas não o blogueiro. Da mesma forma, evitou acompanhar o resultado da eleição para governador em 2006, quando Jackson Lago foi eleito. Do lado de fora do Tribunal Regional Eleitoral, cabos eleitorais prometiam uma surra no blogueiro caso aparecesse.

O jornalista Wilson Lima, repórter do portal iG e ex-correspondente de diversos veículos no Maranhão, conta que Décio era personagem até de charges publicadas nos jornais locais. Tudo por conta de seu perfil perfil “folclórico”. Numa delas, era retratado como um “homem-bomba” – um de seus bordões, ao fechar uma apuração, era que iria “detonar” determinado alvo.

Recentemente, Décio comprou briga até com os ex-colegas da Folha, atuando, segundo relato do próprio jornal, para derrubar a pauta dos repórteres que desembarcavam na capital maranhense em busca de noticias contra a família Sarney.

Em seis anos, se aproximou como pode do clã, mas colecionou inimizades pontuais a cada novo post. Nesse tempo, ele comprou briga até com cego que não era cego – quando revelou que um funcionário do Tribunal de Justiça havia passado em concurso na cota de deficientes alegando ser cego, o que Décio jurava de pé junto não ser verdade.

Décio era, segundo os colegas, uma pessoa bem relacionada mas de poucos amigos. Costumava ir para os bares sozinho para tomar suas long necks e estender o expediente por meio de telefonemas que só cessavam na madrugada. Um de seus favoritos era o Bar Estrela do Mar, onde foi morto. Ali, entre um telefonema e outro, ele costumava digladiar com as patas de caranguejos servidos com vinagrete e arroz de toicinho.

Medo. A reportagem de CartaCapital visitou o bar 36 horas após o crime. Apesar do clima de tranquilidade, ninguém ali parecia disposto a falar sobre o caso: a atendente baixava a cabeça, sem olhar para o repórter, quando questionada em qual mesa Décio estava sentado quando morreu. Em plena hora do almoço, o restaurante, um simpático quiosque aos pés da praia, estava vazio. O único movimento era de curiosos a diminuírem a velocidade ao passar pela avenida – e o alvoroço dos funcionários ao se reunir em frente ao aparelho de tevê para ver a fachada do estabelecimento estampada no noticiário.

Casqueiro (a versão maranhense para “marrento”), como descrevem os colegas, Décio não relatou, nos últimos dias, qualquer menção às ameaças. Estava acostumado a desdenhar os comentários mais acirrados que recebia em sua página eletrônica.

Décio tinha as costas quentes. Prova do prestígio do jornalista, capa dos principais jornais do Maranhão no dia seguinte, é que minutos após os disparos, o Bar Estrela do Mar já estava cercado de jornalistas e autoridades, entre elas o próprio secretário de Segurança Pública, Aluisio Mendes. A promessa de revide veio poucas horas depois, quando, dizendo-se chocada, Roseana prometeu capturar os autores do “ato de barbaridade”. Recuperando-se de cirurgia em São Paulo, Sarney pai também se manifestou. Mesmo convalescente, condenou a atrocidade (ele não citou as demais vítimas do desmando no estado) e declarou: o crime “atentava contra a democracia”.

Desmoralizada, a polícia prometeu um prêmio de cem mil reais para quem encontrasse o autor dos disparos. Não explicitou o assassino deveria ser encontrado vivo ou morto.

Conflitos de terra. Queima de arquivo, vingança, “bode expiatório”. O que não faltam, em São Luis, são palpites sobre as razões do assassinato. Em seus últimos posts, o blogueiro havia noticiado irregularidades na prefeitura de Turilândia, a prisão de assessores do Tribunal de Justiça, irregularidades em prefeituras do interior e a suposta participação de parlamentares em exploração sexual.

Mas a hipótese mais provável, levantada pelos próprios colegas de trabalho, é que a morte esteja relacionada indiretamente ao universo dos conflitos agrários. Dias antes de ser morto, Décio havia publicado reportagens contra um empresário de Barra do Corda, cidade do interior maranhense, suspeito de assassinar um líder rural. O empresário é filho do prefeito da cidade e iria a júri se não fosse uma estranha notícia publicada na véspera pelo blogueiro: quase todos os integrantes do júri eram ligados à família do acusado.

A publicação, com nome e “parentesco” dos jurados, melou o julgamento, afinal transferido para a capital – onde imagina-se que o empresário terá menos chances de sair ileso.

Quando foi atingido, Décio falava ao telefone com o vice-prefeito de Barra do Corda, Aristides Milhomem. Não parecia preocupado com possíveis ameaças: sentado numa cadeira do corredor próximo ao banheiro, estava desprevenido, de costas para a avenida, à espera de dois amigos: o também blogueiro Luis Cardoso (anti-Sarney) e o suplente de vereador Fábio Câmara, assessor da secretaria de Saúde do Maranhão.

Entretido ao telefone, Décio não deu importância ao sujeito que desceu de uma moto à sua procura. Sem capuz ou óculos escuros, o que leva a polícia a suspeitar de que fosse um forasteiro, o assassino percorreu o corredor estreito do bar e conferiu onde estava o alvo. Passou por ele na ida ao banheiro. Na volta, deixou a encomenda: seis tiros disparados com uma pistola calibre 40, de uso da polícia. Em seguida, fugiu a pé, protegido pela ausência de câmeras de monitoramento ou policiamento.

Para despistar, cortou os barrancos de areia que serpenteiam a avenida e escondem os luxuosos prédios de uma área nobre encravada num bolsão de pobreza. Por ali, as únicas testemunhas eram um grupo de evangélicos a rezar no morro àquela hora da noite.

Ao saberem do burburinho sobre a morte do blogueiro, a reação de vários colegas foi a mesma: pegaram o telefone para tentar checar a notícia com a própria fonte.

Foram longos minutos em que o aparelho, de uso pessoal, vibrou e berrou em vão numa mesa do restaurante: aos 42 anos, Décio estava ao chão, com o rosto e o peito cravejado de tiros.

Morreu em combate: em uma das mãos, um outro celular, usado para trabalho, estava colado ao ouvido.

Instinto. A morte a tiros do jornalista, dentro de um bar de uma das mais movimentadas vias de São Luis, deixou desnorteado o grupo de repórteres políticos da região. A sensação, resumida por um deles, era: “se ele, que era querido pelos Sarney, morreu, imagine nós”.

O medo uniu, talvez pela primeira vez, sarneyzistas e oposição.

Marco Aurélio D’Eça, blogueiro e colunista político de O Estado, conviveu com Décio nos tempos de juventude, no bairro João Paulo, e, anos mais tarde, na faculdade, nas redações e bares para ouvir rock às sextas-feiras. As esposas são amigas e tiveram filhos na mesma época – a mulher de Décio está grávida novamente.

Segundo D’Eça, a morte do colega deixou em alerta o grupo de blogueiros do estado, formado por cerca de dez profissionais que, sozinhos e com estilo próprio (embora ligados a seus grupos), somam mais audiência que qualquer publicação local.

“Vou te dizer: estou com muito medo”, diz o jornalista. “No jornal, nunca recebi processos. No blog, em poucos anos já recebi cinco. Sem contar as ameaças: gente dizendo que sabe quem você é, o que faz, onde anda.”

Apesar do medo, Gilberto Léda, também blogueiro e repórter de política, é quem resume o espírito da imprensa maranhense após o golpe: “Todos estamos assustados, nossos amigos e familiares pedem para a gente ter cautela. Mas a tendência é não desanimar. Quando a gente escolhe essa profissão, sabe dos riscos. Corremos riscos por puro instinto”.

No Maranhão, em que pese a influência das oligarquias no jornalismo, este instinto é quase um ato de coragem: os assassinos, estejam onde estiverem, estão soltos, protegidos e prontos para a próxima.

Índia é assasinada a tiros na aldeia Coquinho II, em Grajaú

A liderança indígena Ana Mélia Guajajara, de 57 anos de idade, mãe de 7 filhos da aldeia Coquinho II, da reserva Canabrava, que se localiza entre os municípios entre Grajaú, Barra do Acorda, e Jenipapo dos Vieiras, BR 226, na região centro-sul do estado.

Ana Mélia foi assasinada com 2 tiros e segundo informações do também líder indígena, Raimundo Guajajaras, o autor do crime é o homem identificado apenas como Tuntum, que está foragido. O caso da morte da Cacique, foi registrada na delegacia regional de Grajaú.

Pelo acontecimento trágico, os índios interditarão a BR 226 na próxima quinta-feira (3).

Jornalista sofre atentado na Paraíba, mas não fica ferido

A casa de um radialista foi atingida com vários tiros na madrugada deste sábado (28), em João Pessoa (PB). O repórter Vinicius Henriques estava dormindo com a família quando os bandidos efetuaram os disparos, por volta das 3h. De acordo com vizinhos que perceberam a movimentação, os tiros teriam sido disparados por homens que estavam em uma moto. Apesar dessa informação, a polícia informou que ainda não há suspeitos. Ninguém ficou ferido.

O radialista trabalha há mais de 15 anos com reportagens policiais. No ano passado, durante uma operação realizada na periferia da capital paraibana, um traficante chegou a pedir a presença do repórter como garantia de que sairia vivo.

Os bandidos passaram quase uma hora em frente à sua residência, possivelmente aguardando a saída do radialista. Além do portão, um carro que estava na garagem da casa também foi atingido com os tiros. Assustado, o radialista pediu proteção policial. O caso está sendo investigado, mas a polícia prefere não deu mais informações.

O atentado contra o radialista de João Pessoa ocorreu dias após o jornalista Décio Sá ser assassinado a tiros, dentro de um bar em São Luís (MA). Ele jantava quando foi atacado à queima-roupa. O jornalista foi atingido com seis tiros e morreu no local. Décio trabalhava no jornal ‘O Estado do Maranhão’ e escrevia em um blog sobre política.

sábado, 28 de abril de 2012

Criminoso confessa autoria do assasinato de Policial Civil; dois comparsas morrem

Barraco onde os criminosos se refugiaram
Foi autuado em flagrante na Delegacia de Roubos e Furtos de Veiculos (DRFV), Rodrigo Fernando de Lemos Campelo, vulgo Golf.

Segundo a polícia, ele confessou ter atirado no policial civil, João Santana, registrada no anel viário.

A Polícia Civil também conseguiu recuperar a motocicleta que foi levada pelos bandidos.

Os outros dois, Edgar e Wemerson, reagiram a prisao e foram mortos em confronto com policiais da Seic (superintendencia estadual de investigagoes criminais) e o Servico de Inteligencia da PM.

Vigilante alterado é preso na Avenida Litorânea

Foi preso pela viatura da litorânea I (comandada pelo sargento primitivo e soldado Mailson (dentro do Ipem recreativo no Calhau), Alberto Nunes Serra, 35 anos, vigilante da empresa vip segurança, rua do Cajueiro, 24 Conjunto São Raimundo.

Com ele, os policiais apreenderam um revolver taurus calibre 38mm com cinco munições, Alberto foi denunciado por um casal que disse que o suspeito fazia atos obcenos e ameaçava as pessoas que estavam no ambiente.

O vigilante chegou a disparar contra o casal, felizmente não atingiu ninguém. As vítimas são Valber dos Santos Mota Chagas Junior, 18 anos, vl 212, quadra 11, casa 21, Parque Vitória e Raissa Ribeiro da Silva, 17 anos, vl 304, quadra 303, casa 21, Parque Vitória.

O vigilante foi conduzido para o plantao central da refesa.

Repercussão nacional: capa da Carta Capital destaca morte de Décio Sá

Traficantes de Rondônia com passaportes estrangeiros são presos em Balsas com 127 kg de droga

Em Balsas, policiais civis e militares prenderam 2 traficantes da cidade de Ji-Paraná, com passaportes e vistos para Espanha, Chile, Portugal e Bolívia. Com eles foi apreendido aproximadamente 127 kg de cocaína e uma Hilux, onde estava escondida a droga na carroceria.

Esta operação se trata da maior apreensão de cocaína dos últimos 10 anos no estado. As prisões foram coordenadas pelo delegado regional de Balsas e pelo tenente coronel Alves do batalhão de polícia militar de Balsas.

Adolescente de 16 anos é preso por ter transformado quarto em boca de fumo

Durante a madrugada na Vila Isabel Cafeteira, na rua das flores, foi localizado e apreendido um menino de 16 anos que transformou o quarto no Beco Feliz em uma boca de fumo.

Três pedras de crack foram apreendidas, um papelote de maconha e uma garruncha 12mm sem munição. O suspeito foi encaminhado para o plantão central do Cohatrac.

Policial Civil é assassinado na capital

O crime foi no Anel Viário. Segundo informações do plantão da refesa, o investigador da polícia civil, João de Jesus Santana Lobato, lotado da delegacia de homícidios da capital pode ter sido vítima de latrocínio (roubo seguido de morte). João Santana, no momento do fato tentava sair em uma motocicleta quando foi abordado por dois bandidos.

Pelas primeiras informações, o policial teria reagido ao assalto. Os autores do crime fugiram na motocicleta. João de Jesus Lobato Santana, 47 anos, estaria em companhia de outro investigador policia civil maranhense.

É mais um crime de repercussão na região metropolitana de São Luís em uma semana com fatos terríveis. João Santana era exatamente da delegacia que está com toda equipe mobilizada para prender os matadores do jornalista Décio Sá.

Integrantes da polícia civil estão revoltados com a  frieza e violência dos  dois assaltantes. O  Presidente da Associação dos Servidores da Polícia Civil (Aspcema), Heleudo Moreira e Amon Jessen, Presidente do Sindicato dos Policias Civis  do Maranhão (Sinpol), lamentaram à morte do comapanheiro de profissão. A motocicleta é do também policial, Aurino Antonio Pinto que registrou à ocorrência na delegacia de roubos e furtos de veículos da capital.

Os bandidos que mataram o agente já fizeram vários assaltos na cidade utilizando a moto. O disque denúncia 3223-5800 ou 03003135800, pode servir para à localização do veículo. Atenção para à placa da motocicleta: NNA-6069(preta).

Rosinha do Pó mais uma vez na cadeia...

A Polícia Civil por meio de uma operação com o apoio de várias delegacias da capital maranhense, prendeu no bairro da Jordoa, a conhecida traficante Rosinha do Pó( Rosângela  Andreia Carvalho)

Desta vez, o DENARC (Departamento de Narcóticos da Polícia Civil), cumpriu mandados de prisão temporária  na casa de Rosinha. Outras pessoa foram, Eurian Matos Montes, Natália Rafaela Serra Bayma e Felipe Cutrim dos Passoas, conhecido como "Dior", todos envolvidos com o tráfico de entorpecentes em vários bairros da capital. Rosinha do Pó, em dezembro de 2010, foi presa com 32 quilos de crack, saiu pela porta da frente do presídio com autorização da justiça maranhense. Rosinha, segundo o Delegado Claudio Mendes, continuava abastecendo as bocas de fumo de São Luis  e região.

Nesta manhã, deve ser divulgado o resultado de toda a Operação que foi batizada de "POMAR". Os policiais apreenderam também carros e motocicletas. Rosângela Carvalho(Rosinha do Pó), de acordo com à investigação movimenta por semana cerca de 10 quilos de crack, a última apreensão foi no bairro da Estiva um quilo da droga em operação do DENARC.

Aguarde novas informações.

Lampião era gay?

Da Carta Capital:

Imagine não saber que Vinicius de Morais foi um artista boêmio. Ou que Manuel Bandeira sofria de uma forte tuberculose e que Raul Seixas era viciado em álcool e drogas. São essas características que dão à personalidade de uma figura pública pequenas pitadas de humanismo e de proximidade com seus fãs. Por vezes, essas marcas são essenciais para que as obras deses artistas sejam compreendidas e cedem certo grau de comicidade à sua biografia – como a clássica imagem atribuída a D. João VI, sempre carregando uma gorda coxa de frango em uma das mãos.

Dificilmente alguém se recusa a reconhecer a importância desses relatos da vida das celebridades. Entretanto, a publicação de biografias não autorizadas às vezes gera atritos entre o autor e as famílias desses artistas, que não querem ter a intimidade de seu parente – e também a sua própria – revelada à população. No Brasil, por conta de processos judiciais, essas obras podem ser até mesmo recolhidas das livrarias – uma ação que fica na linha tênue entre o respeito à privacidade e a afronta à liberdade de expressão.

De acordo com a biografia, Lampião seria gay e viveria um triângulo amoroso com Maria Bonita e o também cangaceiro Luiz Pedro

Recentemente foi a vez da vida de Lampião ser foco de polêmicas. Em novembro do ano passado, Aldo Albuquerque, juiz da 7ª Vara Cível de Aracaju, expediu uma liminar – a pedido de Expedita Ferreira, filha do cangaceiro – suspendendo a publicação do livro Lampião mata sete, no qual o juiz aposentado Pedro de Morais defende a tese de que Virgulino Ferreira da Silva, o famoso Rei do Cangaço, seria homossexual. “Não chega a ser nem um capítulo do meu livro, mas eu questiono o assédio dele aos meninos do cangaço e o fato de eles serem tão próximos”, explica Morais, em entrevista à CartaCapital. Albuquerque manteve a ordem de proibição em ação divulgada no último dia 11.

O juiz de 67 anos conta que seu trabalho não foi o primeiro a tratar do assunto. Segundo ele – que se diz um aficionado por Lampião desde criança -, o historiador e antropólogo Luiz Mott já havia abordado a suposta homossexualidade do cangaceiro. “O professor já falava sobre isso 30 anos atrás. Tem uma tese na Sorbornne que cita esse lado feminino de Lampião. Todo mundo aqui no nordeste sabe que ele era um exímio estilista e gostava de plumas, paetês e perfumes franceses”, defende-se.

Mas não é só a orientação sexual do Rei do Cangaço que foi abordada. Pedro de Morais também colocou a fidelidade de Maria Bonita à prova. “Maria Bonita foi um personagem criado pela literatura de cordel. Todos sabem que existia um triângulo amoroso entre ela, Lampião e Luiz Pedro. Estácio de Lima, o maior defensor do cangaço no País foi o primeiro a dizer isso”.

Para Morais, sua biografiade Lampião foi a primeira a ser proibida no País porque é sincera. “Todo mundo tratou do mito. O que eu fiz foi falar sobre Lampião, o bandido”, argumenta. O juiz afirma, ainda, que o fato de ele ter afirmado que o Rei do Cangaço era gay não é justificativa suficiente para a proibição. “Eu falei que ele era um facínora, bandido, ladrão, cruel e nunca houve problema algum. Inclusive, a família até respeita a divulgação desses fatos. Agora eu digo que Lampião era gay e as pessoas proíbem o meu livro? Eu acho que esse pessoal é muito preconceituoso”, dispara.

sexta-feira, 27 de abril de 2012

ONU condena assassinato de Décio Sá

Da Veja:

A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, Navi Pillay, manifestou nesta sexta-feira seu alarme pelo que 'parece ser uma preocupante tendência ao assassinato de jornalistas' no Brasil, e condenou a violenta morte de um conhecido jornalista político no Maranhão. Décio Sá, repórter do jornal O Estado do Maranhão e um dos blogueiros mais lidos naquele estado, investigava questões da política local, corrupção e crime organizado, e é o quarto jornalista assassinado no Brasil desde o início do ano por motivos relacionados à sua atividade profissional.

Navi Pillay, alta comissária de Direitos Humanos da ONU
Navi Pillay, alta comissária de Direitos Humanos da ONU

"Condenamos seu assassinato. Estamos preocupados há tempos com essa questão. É necessário que os defensores dos direitos humanos brasileiros, incluindo os jornalistas, possam fazer seu trabalho sem temer a intimidação ou algo pior", afirmou Pillay. Sá foi assassinado a tiros na segunda-feira em um bar em São Luís, na capital, em um crime com características de ter sido encomendado.

O assassinato de Sá coincidiu com a advertência da Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) de que a imprensa brasileira está ameaçada, refletindo em quatro homicídios em 2012, ao menos oito casos de agressões, seis de censura judicial, seis atentados, seis ameaças diretas e uma detenção injustificada.

Justiça - A alta comissária da ONU pediu às autoridades para tratarem o caso de Sá, assim como os anteriores assassinatos de jornalistas, como prioridade, de modo que os responsáveis não se sintam despreocupados pela atual falta de sanção. Ao mesmo tempo, pediu ao governo que 'comece imediatamente a tomar medidas de proteção para evitar mais incidentes desse tipo'.

Para a máxima responsável da ONU para questões de direitos humanos, um projeto de lei apresentado no ano passado ao Congresso do Brasil obrigaria as investigações policiais sobre crimes envolvendo jornalistas a ocorrer em âmbito federal, o que 'seria um passo na direção correta'. Pillay pediu a aprovação urgente dessa lei. Questionada se os autores dos quatro crimes de jornalistas brasileiros seriam os mesmos, o porta-voz de Pillay, Rupert Colville, não quis fazer uma especulação e lembrou que os crimes ocorreram em diferentes partes do país.

Balas que mataram Décio Sá são de lotes diferentes

A Perícia Técnica deve confirmar, que as cápsulas encontradas no local do crime são de três lotes diferentes. O bandido que matou o Jornalista Décio Sá, com tal atitude tentou atrapalhar provas técnicas importantes que vão ajudar no resultado da investigação.

Deve ser confirmado também que o blogueiro não foi assassinado por uma pistola PT-100, a arma que matou Décio  pode ser uma Glock ou uma 24/7 de calibre restrito.

Algumas categorias que podem usar este tipo de arma de fogo no Brasil:  Policiais Civis, Pm's, Bombeiros Militares, Agentes Penitenciários Federais, Policiais Federais, Policial  Rodoviário Federal, Auditores da Receita (Federal e Estadual), Auditores do Trabalho. Colecionadores de Clubes de Tiro e Atiradores Registrados.

Os três primeiros tiros foram disparados pelas costas e atingiram à cabeça da vítima. O pistoleiro não foi ao banheiro da barraca e nem deu tapinha no ombro do Jornalista com foi dito anteriormente.

Não podemos esquecer que esta arma, segundo à polícia, é muito contrabandeada no Brasil, as apreensões pelo país confirmam esta informação. 

Policiais entram no mangue e prendem dois assaltantes de ônibus

Jeremias e Anderson foram presos em flagrante pelo policiais do GTA

Tudo transcorria na mais absoluta tranquilidade dentro do ônibus prefixo 0920 da linha Distrito Industrial/Ipase. Quando em frente ao Shopping da Ilha, localizado na Avenida Daniel de La Touche, embarcam dois homens armados com faca e revólver.

Logo que subiram anunciaram o assalto. Os bandidos identificados como Anderson Diniz Silva e Jeremias da Silva Sousa, roubam a renda e todos os objetos do passageiros. Logo depois da ação, eles desembarcaram em frente ao prédio da Secretaria Municipal de Transito e Transporte e fogiram na direção do Ipase de Baixo. 

A policia foi informada do roubo e várias viaturas foram acionadas para o local. Cercados, os assaltantes se escondem no mangue com todos os objetos roubados. O helicoptero do Grupo Tatico Aéreo (GTA) foi acionado e em poucos minutos localizaram a dupla.

Eles ainda foram presos com bolsas, celulares, joias e dinheiro dos passageiros do coletivo. Anderson e Jeremias, que já são reincidentes, foram encaminhados para o Plantão Central da Rffsa, onde foram autuados por crime de roubo.

Operação apreende mercadorias, 17 veículos e mais de 30 pessoas em Alcântara

Uma grande apreensão. Esse foi o resultado de uma operação deflagrada pela polícia na cidade de Alcântara. O local da apreensão foi o porto de Itauna. Lá os polciais responsáveis pela operação conseguiram apreender uma pick up Fiat Strada cinco carretas e mais de dez motos.

Além dos veículos, os policiais ainda reteram várias mercadorias chegando a mais de 4 toneladas. Cerca de 30 pessoas foram detidas suspeitas de integrarem uma quadrilha de contrabandistas.

O porto era rota de contrabando das mercadorias que eram levadas para a capital maranhense e comercializadas com o preço abaixo do valor de mercado.

Irmã de Décio Sá encaminha carta pedindo justiça a governadora

Brasil ???

Liberdade

Maranhão ??????????

A vida em nossa nação está ameaçada cada vez mais, estamos calados e acomodados como se fossemos engrenagem de um sistema. Calados e nos fazemos de surdos, espectadores da historia de nossas vidas e nossos destinos.

Onde está nossa Presidente, que não grita em defesa da DEMOCRACIA e da LIBERDADE? Onde está nossa governadora que não vem a público defender sua gente, e os direitos fundamentais de um Estado Democrático?

Décio Sá, HOMEM DE CORAGEM, que aprendeu na sua infância, o respeito, a igualdade, a fé, o amor; educação fundamental nos ideais de Jesus Cristo e da Democracia, está morto, porque relatou tudo que precisava ser banido de uma sociedade democrática.

Nós, sociedade maranhense vimos a público requerer do Poder Público constituído que mostre a cara e faça valer todas as suas promessas e deveres sociais e políticos, garantindo-nos o acesso a liberdade e a vida.

Décio Sá acreditou e lutou por tudo que aprendeu na família, na escola, na universidade e na vida. Não desejo que ele seja lembrado como mais um que deu a vida por um ideal, mas como alguém que como muitos outros construiu e faz a história ser de todos e da Democracia.

Governadora, precisamos dar às mãos e defender o nosso povo maranhense, que mais parece viver no EXILIO, na escravidão, amedrontados como criança abandonada.

Precisamos mudar de postura e fazer valer o que diz a nossa constituição federal.

Os jornalistas foram ameaçados? Não só eles, a sociedade vive ameaçada! Exigimos uma resposta dos poderes constituídos que dirigem a nossa Nação.

Covardes, também serão eles se continuarem fazendo mídia diante de acontecimentos como este momento da história do Maranhão, com a morte de mais um jornalista brasileiro.

E agora, nós educadores, o que poderemos dizer a nossos alunos? E os jovens universitários? Como acreditar nos ensinamentos que lhes é dado? E o direito como poderá ser defendido e exercido?

Precisamos de respostas sérias e concretas.

Governadora, faça valer suas palavras: “esse será o melhor governo da minha vida”, por que se assim não for, também estarás agredindo e matando a história e o direito à Democracia e a Liberdade.

Vilenir Sá

Absurdo: adolescentes de colégio de Caxias se agridem e situação vai parar na internet

No começo da semana, na cidade de Caxias, após um comum dia letivo do colégio Aluísio Azevedo (nome de um renomado escritor maranhense, autor de "O Cortiço"), duas adolescentes protagonizaram uma verdadeira luta livre em plena saída de escola. 

Com direito a torcida de atiçadores, a confusão tomou proporções estarrecedoras para duas jovens que com certeza não poderiam chegar à essas consequências violentas. Como diria o poeta, hoje em dia, cinegrafista amador em todo lugar tem, e no transcorrer de tudo, o "muído" foi filmado.

O vídeo que você verá abaixo, mostra uma situação bastante desconfortável para quem tem noção da responsabilidade que é a educação de jovens, ainda mais dentro do convívio escolar. Confira:

Polícia Civil prende estuprador em Buriticupu

Polícia Civil de Buriticupu prendeu, na madrugada desta quinta-feira (26), Gelson Ferreira Costa, 24 anos, após raptar e estuprar uma menina de 12 anos. As informações foram repassadas à Polícia pelo Conselho Tutelar da cidade, após os pais denunciarem o sumiço da filha.

O acusado é vizinho da vítima que aproveitou a ausência dos pais para levá-la. Ele foi encontrado com a menina no Povoado de Vila Casa Azul, e em depoimento alegou que já mantinha um relacionamento de três meses com a menor.

Gelson foi autuado por estupro de vulnerável e permanece na Delegacia de Buriticupu à disposição da Justiça.

Já a vítima foi encaminhada para fazer exame de conjunção carnal que constatou o estupro. Ela passará por acompanhamento psicológico através do Centro de Referência Especializado de Assistência Social em Buriticupu.

STF decide por unanimidade que sistema de cotas é constitucional

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu nesta quinta-feira por unanimidade que o sistema de cotas raciais em universidades é constitucional. O presidente do STF, Carlos Ayres Britto, iniciou seu voto --o último dos ministros-- por volta das 19h30, antecipando que acompanha o voto do relator Ricardo Lewandowski.

O julgamento, que terminou por volta das 20h, tratou de uma ação proposta pelo DEM contra o sistema de cotas da UnB (Universidade de Brasília), que reserva 20% das vagas para autodeclarados negros e pardos.

Ayres Britto disse durante o voto que os erros de uma geração podem ser revistos pela geração seguinte e é isto que está sendo feito.

Em um voto de quase duas horas, o ministro Ricardo Lewandowski afirmou ontem (25) que o sistema de cotas em universidades cria um tratamento desigual com o objetivo de promover, no futuro, a igualdade.

Para ele, a UnB cumpre os requisitos, pois definiu, em 2004, quando o sistema foi implantado, que ele seria revisto em dez anos. "A política de ação afirmativa deve durar o tempo necessário para corrigir as distorções."

Luiz Fux foi o segundo voto a favor das cotas raciais. Segundo Fux, não se trata de discriminação reservar algumas vagas para determinado grupo de pessoas. "É uma classificação racial benigna, que não se compara com a discriminação, pois visa fins sociais louváveis", disse.

A ministra Rosa Weber também seguiu o voto do relator. Para ela, o sistema de cotas visa dar aos negros o acesso à universidade brasileira e, assim, equilibrar as oportunidades sociais.

O quarto voto favorável foi da Ministra Cármen Lúcia, que citou duas histórias pessoais sobre marcas deixadas pela desigualdade na infância.

Em seu voto, o ministro Joaquim Barbosa citou julgamento da Suprema Corte americana que validou o sistema de cotas para negros nos Estados Unidos, ao dizer que o principal argumento que levou àquela decisão foi o seguinte: "Os EUA eram e continuam a ser um país líder no mundo livre, mas seria insustentável manter-se como livre, mantendo uma situação interna como aquela".

Peluso criticou argumentos de que a reserva de vagas fere o princípio da meritocracia. "O mérito é sim um critério justo, mas é justo apenas em relação aos candidatos que tiveram oportunidades idênticas ou pelos menos assemelhadas", disse. "O que as pessoas são e o que elas fazem dependem das oportunidades e das experiências que ela teve para se constituir como pessoa."

O ministro Gilmar Mendes também votou pela constitucionalidade das cotas em universidades, mas fez críticas ao modelo adotado pela UnB. Ele argumentou que tal sistema, que reserva 20% das vagas para autodeclarados negros e pardos, pode gerar "distorções e perversões".

Celso de Mello disse, durante seu voto, que ações afirmativas estão em conformidade com Constituição e com Declarações Internacionais subscritas pelo Brasil.

Marco Aurélio Mello também seguiu o relator e votou pela constitucionalidade do sistema de cotas. Dias Toffoli não participou do julgamento por ter dado um parecer no processo quando era da Advocacia-Geral da União.

Acusado de matar mototaxista será julgado pelo Tribunal do Júri

A 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Maranhão acolheu recurso do Ministério Público estadual (MPE) e decidiu submeter Ageu Rodrigues da Silva a julgamento pelo Tribunal do Júri popular. Silva é acusado de ter assassinado o mototaxista Regivaldo Melo dos Santos, no dia 31 de janeiro de 2001, na rodovia MA-119, que liga os municípios de Trizidela do Vale e Bernardo do Mearim. A decisão reformou sentença da Justiça de primeira instância, que havia negado o pedido do MPE.

A votação unânime dos desembargadores da 2ª Câmara Criminal foi na mesma linha de raciocínio do parecer do procurador de justiça Krishnamurti França, confirmado na sessão desta quinta-feira (26) pela procuradora de justiça Lígia Cavalcanti. O entendimento de todos foi de que, na atual fase do processo, basta a existência de indícios, não sendo exigida ainda prova certa da autoria.

A denúncia do Ministério Público afirma que o inquérito policial apontou Ageu Silva como autor do tiro que matou o mototaxista. Segundo os autos, momentos antes do crime o denunciado teria solicitado a dois outros mototaxistas que o levassem à cidade de Bernardo do Mearim. Desconfiados, eles se negaram a fazer a corrida. Minutos depois, tomaram conhecimento de que um mototaxista havia sido baleado na MA-119.

Ageu Silva teria sido apontado como o responsável pelo homicídio pelas testemunhas ouvidas durante a fase policial. O acusado teve prisão preventiva decretada. A defesa do denunciado sustentou não haver nenhuma prova testemunhal de que ele teria cometido o crime. Acrescentou que, durante a instrução processual, teria sido constatado que Silva não teve participação nos fatos.

O juiz da 3ª Vara Criminal de Pedreiras, Cristovão Barros, afirmou que, embora comprovado o crime, não se pode dizer o mesmo quanto aos indícios de autoria, diante do que considerou declarações superficiais das testemunhas. O Ministério Público recorreu com uma apelação criminal.

Os desembargadores Raimundo Nonato de Souza (relator) e Bernardo Rodrigues (revisor) concordaram com os argumentos do MPE e deram provimento ao recurso, voto este acompanhado pelo desembargador José Luiz Almeida.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Rodoviários decidem circular normalmente nesta sexta-feira

Após mais uma rodada de reuniões entre representantes do Sindicato dos Rodoviários e do Sindicato das Empresas de Transportes Coletivos de São Luís / SET, realizada nesta última quinta-feira (26.04) na sede do SET; houve um avanço nas negociações de certas cláusuras de cunho social. 

Tal avanço, fez com que os rodoviários suspendessem temporariamente o movimento de greve na capital maranhense, e mantendo-se o sistema de transporte coletivo em pleno funcionamento desta sexta-feira (27.04) em diante.

Novas rodadas de negociações entre os dois sindicatos irão acontecer e serão mediadas pela Procuradora Regional do Trabalho / PRT.

O SET reafirma sua disposição para a manutenção do diálogo junto ao sindicatos dos rodoviários em todo este processo.

Preso suspeito de participar da morte de Décio Sá

Arte Décio Sá (Foto: Reprodução)
Do G1 MA:

A polícia prendeu um homem na noite desta quarta-feira (25), que pode estar envolvido na morte do jornalista Décio Sá. O suspeito foi preso na Vila Pirâmide, no Araçagi, entre os municípios de Raposa e Paço do Lumiar, na região da Grande São Luís. A polícia suspeita que o homem preso tenha ajudado na fuga do assassino. A informação foi confirmada por Laércio Costa, secretário-adjunto de Inteligência e Assuntos Estratégicos.

Segundo a polícia, o suspeito foi apontado pela maioria das pessoas, através do Disque-Denúncia, como um dos envolvidos na morte do jornalista Décio Sá.

Um homem que acompanhava o suspeito no momento da prisão também foi detido.

Além dessas informações disponibilizadas através do Disque-Denúncia, a polícia informou que já existe uma condenação contra o suspeito preso no Araçagi.

"A prisão dele foi efetivada ontem por equipes da Seic. Estamos checando todas as denúncias que chegaram, e este rapaz que foi preso já responde por duas condenações. Nós estamos checando as informações com toda cautela", afirmou o delegado Maymone Barros.


Entrevista: Marcial Lima
Imagens: João Pinheiro

Missa de sétimo dia de Décio Sá acontecerá domingo

Está marcada para as 10 da manha do domingo (29 de abril) na Igreja da Sé, a missa de sétimo dia de morte do jornalista Décio Sá, assassinado na segunda-feira na avenida litoranea da capital maranhense.

A igreja da Sé fica no centro de São Luís na praça Pedro Segundo.

A professora Vilenir Rosale, irmã do blogueiro Décio Sá na manha desta quinta-feira, deve divulgar uma carta pedindo justiça na elucidação do crime.

Vilenir, faz um apelo a governadora Roseana Sarney, pede empenho de todas as autoridades e destaca o trabalho desenvolvido pelo jornalista na imprensa maranhense. A carta sera divulgada no blog do Décio Sá e outros veiculos de comunicação.

PM prende mais de 40 quilos de maconha

Em operação realizada no posto do bairro da estiva, policiais militares prenderam duas pessoas que estavam em um carro com mais de 40 quilos de maconha. 

A droga prensada, segundo a PM, teria como destino certo, pontos de venta (bocas de fumo) de várias partes da região metropolitana de São Luís.

Foram presos: Diego Cantanhede Silva, e Vando Almeida. Os dois foram levados para o plantão da Vila Embratel.

PRF prende traficantes na BR-135

Tiago Abreu, reincidente no tráfico

Foi mais uma ação do Serviço de Inteligência da Polícia Rodoviária Federal (PRF). No posto do  Povoado São Francisco, Município de Itapecuru Mirim, no Pálio de placa NNA-0200-Maranhão, os policiais prenderam os traficante, Tiago Abreu Marinho Costa, 24 anos e Ronário Járbe Pedrosa Linhares. 

Segundo à PRF,  Tiago, em 2011, no bairro da Cohama ma Capital Maranhense já tinha sido preso com LSD. Para o Serviço de Inteligência, os dois abastecem pontos de venda de drogas no Município de Itapecuru. Ronário, era o condutor do Pálio. 

Os acusados foram levados para à Delegacia de Itapecuru. Desta vez, os policiais encontraram com Tiago 50 gramas de maconha.

Tribo maranhense é a mais ameaçada do mundo, diz BBC


O grupo de defesa dos direitos indígenas Survival International afirma que os índios Awá, do Maranhão, formam a tribo mais ameaçada do mundo. Calcula-se que de 60 a 100 de seus cerca de 450 membros nunca tenham tido contato com o mundo exterior.


A Survival diz que a tribo vem perdendo território de todos os lados. Queimadas feitas por madeireiros acabam com seu habitat e o de seus animais. A entidade espera conseguir pressionar o governo para que este dê mais atenção ao problema dos Awá, classificado pelo juiz José Carlos do Vale Madeira em 2009 como "genocídio".

Em 1992, pistoleiros foram contratados para matar, e liquidaram dezenas de índios dessa tribo.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

Sistema de Bilhetagem volta a funcionar

Do blog do Jorge Aragão:

Depois de quase uma semana o Sistema de Bilhetagem Automático será restabelecido nesta quinta-feira (26), pelo menos é o que assegura o Sindicato das Empresas de Transporte (SET).

Em Nota o SET confirmou que nesta quinta-feira todos os pontos de vendas estarão funcionando normalmente das 8h às 17h, sem interrupção para a venda dos bilhetes eletrônicos aos usuários.

A informação também foi confirmada pela SMTT – Secretaria Municipal de Transito e Transporte de São Luís. Entretanto, oficialmente ninguém sabe o que ocasionou o problema que prejudicou milhares de pessoas.

Sendo assim, é melhor não comemorar muito, pois como de costume uma nova pane pode acontecer, só não se sabe se por culpa de repasse da prefeitura à empresa DATAPROM, ou se por incompetência mesmo da DATAPROM.

Paralisação dos rodoviários não acontecerá amanhã

Segundo informações do presidente do Sindicato dos Rodoviários, amanhã não haverá a paralisação que estava programada, por conta da demonstração de interesse de negociação por parte das empresas de ônibus.

Caso não haja um consenso entre as partes, a paralisação acontecerá na sexta feira. Amanhã acontecerá uma reunião para decidirem o rumo do combalido transporte coletivo de São Luís.

Polícia Civil prende suspeitos de tentar fraudar documentos eleitorais

Policiais civis prenderam em flagrante três pessoas suspeitas de envolvimento em fraudes eleitorais. Edinalva da Silva Melo, 22 anos, Valdenira Martins Matos, 50 anos, e João de Deus Silva, 42 anos. Os três são moradores do povoado Santo Antônio, localizado na zona rural de Governador Nunes Freire.

A polícia chegou à localização dos mesmos após denúncia feita pelo responsável pelo cartório eleitoral do Fórum da cidade.

Ele suspeitou quando o trio tentava transferir seus títulos utilizando contas de energias falsificadas e Certidões de Nascimento adulteradas.

O trio foi autuado por fraude, falsificação de documentos e omissão de documentos eleitorais. Eles permanecem na Delegacia de Governador Nunes Freire à disposição da Justiça.

Retrato falado de assasino de Jornalista ainda não foi divulgado

Em entrevista ao titular do blog, o delegado Guilherme Sousa Filho, integrante da força tarefa da Polícia Civil que investiga a morte do jornalista Décio Sá, confirma que o retrato falado do bandido que executou o profissional de imprensa ainda não será divulgado nesta quarta-feira.

"Várias pessoas que podem ajudar nas investigações precisam ser ouvidas, informações que vão contribuir também na confeção do retrato falado", diz o delegado. A polícia já sabe que na fuga o executor do crime, teve ajuda de um motociclista e mais duas homens. Três pessoas  que estavam na barraca (local do crime) já forma ouvidas.

Outras duas testemunhas que estavam distantes mil metros do local do fato prestaram informações  importantes sobre a fuga dos bandidos. 

Outra confirmação é sobre as características da motocicleta. O bandido que atirou  no Jornalista Décio Sá, escapou na garupa de uma moto vermelha. O perito criminal Reginaldo Melo é o responsável pelo retrato falado. Os delegados Maimone Barros, Augusto Barros (superintendente da SEIC), Jefley Furtado, Guilherme Souza Filho e José Nilton, passaram a tarde reunidos. O delegado Guilherme, descartou qualquer ligação do assassinato do Personal Diego Penha com o crime de encomenda em que foi vítima o Blogueiro  Décio Sá. O disque denúncia já registrou uma grande quantidade de chamadas, todas as informações foram repassadas para à comissão de delegados e investigadores que cuidam do caso. No fim da reunião desta quarta-feira,  a certeza da equipe é que à Polícia Civil está no rumo certo. 

Domingos Dutra prestigiou lançamento de livro de ex-terrorista italiano

Dutra disse a Césare Battisti que o território brasileiro lhe pertence

Ao Pé do Muro, de Cesare Battisti foi na Livraria Travessa, no Leblon, com o pequeno auditório lotado de intelectuais, amigos do autor e representantes da imprensa. Apesar do sucesso de público e da notoriedade do escritor, os jornais diários optaram pelo silêncio, afinal, aconteceram contendas na hora das perguntas, hora essa que foi o fim do lançamento pela fúria de Battisti ao ouvir perguntas polêmicas.

O presidente da Comissão de Direitos Humanos da Câmara de Deputados, deputado federal maranhense Domingos Dutra, veio de Brasília para prestigiar o lançamento. 

Battisti já escreveu mais de 15 romances, além de ter participado de coletâneas de contos. Ao Pé do Muro é o primeiro escrito no Brasil. O deputado Chico Alencar comparou o processo de construção da história com “Cartas do Cárcere”, de Gramsci. Depois disse que “esse livro é a certidão de nascimento de Battisti no Brasil”.

Dutra foi o coordenador do debate, que foi interrompido após perguntas polêmicas a Battisti

De fato, foi nos quatro anos na prisão, em Brasília, convivendo com presos comuns, que o autor afirma ter aprendido a conhecer e a gostar do Brasil, “através das histórias contadas pelos prisioneiros, sobretudo nos momentos de grande saudade da terra natal, fosse o Amapá, Mato Grosso, Goiás, São Paulo, Amazonas ou Pernambuco.” Para Battisti, o preso, despossuído de tudo, quando chora ou ri é com o corpo e a alma, revelando sentimentos profundos.

O deputado Domingos Dutra aproveitou a oportunidade para divulgar a campanha pela aprovação da PEC 438, que tramita há 17 anos no Congresso e deverá ser votada em maio. O projeto confisca as terras daqueles que pratica trabalho escravo, destinando-as para fins sociais.

Fato misterioso: Depois que o deputado Domingos Dutra, disse a Césare Battisti que "Você agora é um Brasileiro como nós. Esse território te pertence",  uma canaleta de vidro desabou do teto, para espanto do público e para interromper os aplausos.

Polícia prende homicida que fazia dupla com assasino da advogada Geiza Pires

A equipe do 11º DP do bairro do São Cristóvão, no comando operacional da delegada Ludylena, prendeu em Pedreiras o parceiro de Tiago de Sousa, que assassinou a advogada Geiza Rocha Pires.

A dupla aparece também como autora do latrocínio da funcionária federal Débora Rogéria Lobato da Silva, que aconteceu no bairro da Forquilha em 2011. A investigação teve o apoio da polícia civil da capital.

Bandidos tentam arrombar caixa eletrônico de Matinha

Durante a madrugada desta quarta-feira (25), bandidos tentaram arrombar o caixa eletrônico do Bradesco, no município de Matinha, a 240 quilômetros de São Luís.

Durante a ação, os bandidos usaram maçaricos e dinamites, que não foram suficientes para retirada do dinheiro do caixa. 

Segundo as primeiras informações, do repórter Domingos Ribeiro, da Mirante AM, a polícia foi acionada e os bandidos fugiram sem levar nada, deixando o material usado na tentativa de roubo no local. A polícia está à procura dos suspeitos.

Fábrica de água mineral Mar Doce é interditada pela Vigilância Sanitária

Em operação conjunta realizada na manhã desta terça-feira (24), a Delegacia do Consumidor (Decon), a Vigilância Sanitária e o Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim-MA) interditaram, há pouco, a fábrica de água mineral Mar Doce, em Paço do Lumiar.

Segundo apurou o blog, a ação foi idealizada após consumidores denunciarem a mudança de cor de galões usados pela empresa para envasar água mineral.

Na visita in loco, hoje pela manhã, técnicos da Vigilância Sanitária detectaram falhas no controle de qualidade.

Saindo da Mar Doce, as equipes devem fazer nova “batida” em outra fábrica de água.

Personal Trainer executado no Turu tinha envolvimento com o tráfico

Diego Serra Sousa Mendes, de 27 anos, ontem, foi alvejado por 2 pessoas em uma moto, nas proximidades do clube AERCA, no bairro da Chácara Brasil, na região do Turu. O crime tinha características de execução.

Após apurações da polícia, o professor de academia tinha um histórico de brigas, do qual ele tinha fama de ser bem volúvel, uma pessoa com personalidade inconstante. Outro fato revelador, é que Diego tinha ligação com o tráfico de drogas, e já havia sido preso. 

Sociedade interamericana condena morte de Décio Sá

A Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP) condenou nesta terça-feira o assassinato do jornalista Décio Sá no Maranhão, além da morte de Noel Alexander Valados Decoto, apresentador de televisão em Honduras. A SIP disse que Décio Sá é o quarto jornalista morto no Brasil este ano, e pediu às autoridades que investiguem o crime com prontidão e profundidade para desvendar responsabilidades.

O jornalista foi assassinado na segunda-feira quando se encontrava em um bar em São Luís. Em comunicado, a SIP explicou que um desconhecido atirou seis vezes na cabeça e nas costas de Décio, e depois fugiu em uma motocicleta onde um parceiro o esperava.

O presidente da Comissão de Liberdade de Imprensa e Informação da SIP, Gustavo Mohme, expressou sua solidariedade com os familiares e colegas do jornalista. "Justo no mesmo dia em que concluímos nossa reunião semestral, na qual destacamos que os crimes contra jornalistas continuam sendo um dos principais problemas enfrentados pela imprensa nas Américas, foi assassinado outro comunicador em nossa região", acrescentou.

Décio Sá era repórter do jornal O Estado do Maranhão e em seu blog costumava escrever com estilo crítico sobre a política estadual. Não se conhece o motivo do assassinato, mas não é descartada a possível relação com sua atividade jornalística, segundo a organização com sede em Miami.

Um oficial de Segurança Pública do Maranhão considerou que o comportamento do assassino, que nem sequer ocultou o rosto, indica que ele ingressou no local com a intenção expressa de executar o jornalista.

Em Honduras, Valados Decoto, apresentador de televisão, foi assassinado no mesmo dia que Décio Sá, junto de outras duas pessoas que o acompanhavam. As autoridades averiguam os motivos do crime, assim como a identidade dos autores, informou a SIP.

Polícia investigará ligação entre morte de Décio e assassinato de estudante no Piauí

Do Meio Norte:

O secretário de segurança do Estado do Maranhão, Aluísio Mendes, afirmou que a morte do jornalista Décio Sá na noite de ontem em São Luís-MA, será investigada a fundo pela polícia e que uma resposta será dada a sociedade sobre o crime, já que Décio era um jornalista combativo.

Ele ressaltou que todas as hipóteses serão analisadas, inclusive se o crime teria ramificações com o caso Fernanda Lages, estudante morta há sete meses em Teresina. "Vamos trabalhar com o que já foi divulgado sobre a morte da estudante e analisar as postagens do blog de Décio, que serão peças importantes nas investigações", informou Aluísio Mendes, secretário de segurança do Maranhão.

terça-feira, 24 de abril de 2012

Mistério: Personal Trainer é morto com características de execução

Há instantes atrás, foi assassinado Diego Serra Sousa Mendes, de 27 anos, alvejado por 2 pessoas em uma moto, nas proximidades do clube AERCA, no bairro da Chácara Brasil, na região do Turu. O crime tem características de execução.

Um fato misterioso, é que ao perceber a perseguição dos criminosos, Diego Serra saiu do veículo Celta do qual dirigia, e partiu em fuga, correndo, o que facilitou que ele fosse atingido pelos tiros. 

Diego Serra era personal trainer em uma academia do bairro do Parque Vitória. Resta investigar para saber se há alguma ligação com outros crimes relacionados à queima de arquivo ou acerto de contas.

Confirmado: grupo preso na BR não participou da morte de Décio Sá

A informação é do Delegado Augusto Barros, Superintendente Estadual de Investigações Criminais. As 14 horas desta terça-feira (24), a Polícia Rodoviária Federal, recebeu  uma denúncia por meio do 190 sobre uma moto que havia sido furtada, dirigiu-se a um desvio que fica por trás do Posto de Pedrinhas, no km 14 da BR 135, utilizado por pessoas que evitam passar por fiscalização.

Um veículo Corsa Classic, cor branca, placa de São Luis do Maranhão, com película fumê, com a aproximação da viatura, fez uma manobra brusca, o que levou os policiais a abordarem o veículo.

Nele estavam quatro homens, sendo um deles policial militar reformado, portando uma pistola PT 940, calibre .40, com 20 munições, numeração SCW35191, sem registro, além de R$ 2.446 em dinheiro. A ocorrência foi encaminhada à SEIC-Superintendência de Investigações Criminais, que imediante descartou à participação do grupo na morte do Jornalista Décio Sá, registrada ontem  na Avenida Litorânea na capital maranhense;

No total, foram 5 homens presos, quatro que estavam no carro e o outro que conduzia a moto.Eles foram interrogados, ficou confirmado que arma de fogo foi roubada de um policial do Ceará. Apesar de ter   características com os objetos que estavam com os dois homens que executaram o profissional de imprensa, o Delegado Augusto Barros, Superintendente da SEIC,  por meio do telefone falou com o titular do blog no fim da tarde e descartou à participação dos acusados na morte de Décio Sá.

Para o delegado, o grupo deve  ter participado de uma saidinha bancária na cidade de Bacabeira,  que fica no quilômetro 52 da BR-135, que liga à capital maranhense. Sobre a morte do Blogueiro, um grupo de empresários está oferecendo 100 mil reais de recompensa por informações sobre o paradeiro  dos bandidos que executaram o jornalista ontem à noite em uma barraca da litorânea maranhense.

Na história do Instituto Brasileiro de Combate à Criminalidade, é a maior recompensa oferecida pela ONG fora do Rio de Janeiro. Nas investigações da Polícia Carioca para prender Fernandinho Beira Mar, a recompensa também foi de 100 mil reais. Os telefones para à população contribuir com as investigações são: (98) 3223-5800 ou 03003135800.  As informações são mantidas em sigilo.

Terra: Entidades condenam assassinato de jornalista no Maranhão

A execução do jornalista Décio Sá, na noite de segunda-feira, em São Luís (MA), revoltou entidades da área. A Associação Brasileira de Imprensa (ABI), a organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF), a Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj), o Sindicato dos Jornalistas Profissionais de São Luís (MA) e o Sindicato dos Radialistas do Maranhão condenaram o crime e pediram a rápida apuração do caso.

O jornalista, de 42 anos, foi assassinado com seis tiros em um restaurante. O autor dos disparos fugiu com um comparsa, segundo testemunhas. O repórter publicava reportagens investigativas em seu blog, um dos mais acessados do Estado, e trabalhava na editoria de política do jornal O Estado do Maranhão, da família do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP).

A ABI fez um apelo à presidente Dilma Rousseff (PT) e ao ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, para que a Polícia Federal acompanhe as investigações, "pois a impunidade desses criminosos constituirá estímulo a novos crimes contra jornalistas". "Entristecida com esse episódio, que fere de forma grave e intolerável a liberdade de expressão e a liberdade do exercício da profissão de jornalista, a ABI considera a morte de Décio Sá uma resultante da passividade do Poder Público na apuração de crimes contra jornalistas em diferentes pontos do País", afirmou a entidade, em comunicado.

Os Repórteres Sem Fronteira afirmaram que as autoridades têm que assegurar que os jornalistas possam trabalhar livremente quando averiguam temas de corrupção. "Esperamos que este assassinato sirva como advertência às autoridades do Norte e Nordeste sobre os perigos aos quais os repórteres se expõem", afirmou a organização defensora da liberdade da imprensa em comunicado. Com três jornalistas mortos em 2011 e quatro nos últimos três meses, o Brasil ocupa a posição 99 de 179 na lista que a RSF elabora sobre a liberdade de imprensa no mundo, após cair 41 postos no último ranking.


Federalização de crimes contra jornalistas


Em nota conjunta, a Fenaj, e os sindicatos dos Jornalistas de São Luís e dos Radialistas do Maranhão reivindicaram que o Congresso Nacional aprove o projeto de lei que federaliza os crimes cometidos contra jornalistas. "É nosso dever exigir rigor das autoridades maranhenses na apuração dos fatos e na punição dos responsáveis pela morte de Décio Sá e, do Congresso Nacional, a aprovação do projeto de lei que estabelece a federalização dos crimes contra jornalistas", diz o documento.

A nota ressalta ainda "a atuação destemida" de Décio Sá e enfatiza que "seu covarde assassinato deixa entristecida toda a categoria dos jornalistas maranhenses e indignados todos os jornalistas brasileiros". "Jamais imaginaríamos que, vencido o período de regime de exceção e, ao alcançarmos a democracia, nos encontramos cercados por uma legislação penal tão estimulante para a prática de atos criminosos, onde a vida dos cidadãos nada vale diante da vingança banal dos bandidos, pistoleiros e mandantes", destaca o documento.

Presidente do TJ lamenta morte do jornalista Décio Sá

O presidente do Tribunal de Justiça do Maranhão, desembargador Antonio Guerreiro Júnior, disse lamentar profundamente a morte do jornalista Décio Sá – a quem definiu como um bom amigo e profissional exemplar –, e pediu o empenho máximo do sistema de segurança do Estado para encontrar rápido os mandantes e executores do crime.

“Esse é um tipo de delito que pensei abolido no Maranhão. É óbvio que as notas e comentários do jornalista desagradam a muitos, mas daí recorrer a um assassinato para calar uma voz discordante é algo que eu, como magistrado, e também a sociedade, não entendemos e não concordamos”, enfatiza o presidente.

As ações da gestão de Guerreiro Júnior na presidência do TJMA, e assuntos do Judiciário maranhense e nacional, eram destaque semanal no Blog do Décio. Para o jornalista, o desembargador era fonte diária quando tinha dúvidas sobre matéria jurídica.

Presença constante no tribunal, Décio Sá esteve pela última vez no prédio do TJMA na tarde de sexta-feira (20) para acompanhar o anúncio da exoneração de assessores do Judiciário denunciados por suposta extorsão a um empresário.

Amigo falou com Décio Sá poucos minutos antes de assassinato

O suplente de vereador Fábio Câmara, assessor da Secretaria de Estado da Saúde (SES), contou, em entrevista ao programa Acorda Maranhão, da rádio Mirante AM, na manhã desta terça-feira (24), detalhes do crime contra o jornalista e blogueiro Décio Sá, que foi assassinado com seis tiros nessa segunda-feira (23), no bar Estrela do Mar, na Avenida Litorânea. 

Câmara se encontraria com Décio no bar e falou, por telefone, poucos minutos antes do crime. "Quando eu cheguei no bar, uns cinco minutos, tinha acabado de acontecer o crime. Décio estava lá, de uma forma muito triste, muito cruel", afirmou.

Segundo informações da polícia, um homem desceu de uma motocicleta, atravessou a rua e foi até o bar. Para certificar de que era mesmo o jornalista, o assassino foi até o banheiro, próximo da mesa onde Décio se encontrava. 

Ao sair, atirou seis vezes com uma pistola ponto 40, arma de uso restrito da polícia. Dois disparos atingiram as costas e quatro a cabeça do jornalista. Logo em seguida, o assassino fugiu do local do crime e voltou para a avenida, onde outro homem o aguardava em uma moto.