Blog do Marcial Lima - Voz e Vez

terça-feira, 20 de abril de 2021

Polícia Federal inicia a Operação Escambo de combate à fraude na concessão de benefícios previdenciários


 A Polícia Federal iniciou, nesta terça-feira (20/4), a Operação Escambo para combater a prática ilegal de concessão de benefícios previdenciários de aposentadoria por idade e auxílio-maternidade a segurados especiais na condição de trabalhador rural.

A PF cumpriu três mandados judiciais de busca e apreensão, sendo dois mandados judiciais na cidade de Sena Madureira (AC) e um mandado judicial na cidade de Campo Grande (MS).

Durante as investigações, que começaram em maio de 2017, a PF identificou como possível irregularidade a declaração de atividade rural ideologicamente falsa, não comprovação de efetivo exercício de atividade rural, inserção de dados no sistema atestando, indevidamente, a qualidade de trabalhador rural.

Os envolvidos responderão pelos crimes de estelionato previdenciário (Art. 171., § 3º, do Código Penal), falsidade ideológica (Art. 299. do Código Penal), inserção de dados falsos em sistema de informações (Art. 313-A do Código Penal) e corrupção eleitoral (Art. 299., do Código Eleitoral), com penas de até 12 anos de reclusão.

A Polícia Federal reforça que a atual pandemia não afetou as investigações e ações da instituição nos crimes de sua atribuição, mas que as diligências policiais foram cumpridas em total observância às normas sanitárias de prevenção ao covid-19, sobretudo o uso de equipamentos de proteção individual para resguardar a saúde dos policiais e dos investigados.

A investigação conduzida pela Polícia Federal no Acre foi denominada de Escambo – o termo significa troca de bens ou serviço sem uso de moeda ou qualquer tipo de troca ou permuta.

(Informações da PF)


Polícia Federal inicia a Operação Contágio contra desvio de recursos públicos destinados ao tratamento de covid-19 em municípios de São Paulo


 A Polícia Federal iniciou, nesta terça-feira (20/4), a Operação Contágio para aprofundar investigação sobre desvios de recursos públicos na área da saúde, nos municípios de Hortolândia, Embu das Artes e Itapecerica da Serra, todos no Estado de São Paulo.

Ao todo, foram cumpridos 38 mandados de busca e apreensão e cinco mandados de prisão temporária, expedidos pela 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo, por ordem do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3). Também foi decretado o bloqueio de valores e imóveis dos investigados e a apreensão de veículos, incluindo carros esportivos de luxo. Os mandados foram cumpridos nos Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

A investigação teve origem após a Controladoria Geral da União (CGU) ter identificado uma Organização Social (OS), sem capacidade técnica, contratada por esses municípios. Foram constatados indícios de fraude e direcionamento para prestação de serviços de saúde, em contratos que, somados, superam R$ 100 milhões. Alguns dos contratos foram firmados de maneira emergencial, para gestão e atendimento de pessoas infectadas com covid-19.

Após as contratações pelos municípios, a OS subcontratava a execução dos serviços para diversas empresas associadas, algumas constituídas poucos meses antes, também sem experiência na área de saúde. Algumas dessas subcontratadas, após os repasses de recursos pela OS, efetuaram centenas de saques em espécie que somam mais de R$ 18 milhões, realizados de maneira fracionada para burlar o controle contra lavagem de dinheiro do sistema financeiro nacional. O transporte do dinheiro era feito sob a escolta armada de um guarda-civil municipal, que, também, era sócio de uma das empresas subcontratadas.

Os crimes apurados são de peculato (Art. 312., do Código Penal), fraude à licitação (arts. 89. e 90. da Lei nº 8.666/93), lavagem de dinheiro (Art. 1º da Lei nº 9.613/98) e organização criminosa (Art. 2º da Lei nº 12.850/2013).

(Informações da PF)


Polícia Federal combate fraude em verba para material escolar


 A Polícia Federal iniciou hoje (20/4), com apoio do Ministério Público Federal, a segunda fase da Operação Quadro Escuro para apurar possíveis desvios de verbas destinadas à compra de material escolar no Amapá.

A ação, que ocorreu no município de Santana (AP), contou com a participação de seis policiais federais. Ela é decorrente da primeira fase, realizada no último dia 13. Hoje, foi cumprido um mandado de busca e apreensão em desfavor de um ex-secretário municipal daquela cidade.

Ambas as fases da operação buscam identificar os envolvidos que colaboraram para uma ação que culminou em fraude ao processo licitatório de compra de material didático para escolas, bem como recebimento de vantagem indevida por agentes públicos.

A investigação apontou indícios de que o município de Santana teria contratado, em 2014, com licitação fraudulenta por meio de direcionamento, uma empresa de fachada, que recebeu pouco mais de um milhão de reais no certame. Verificou-se ainda que, desse total recebido, aproximadamente R$ 700 mil foram desviados.

Os envolvidos poderão responder pelos crimes de falsidade ideológica, corrupção ativa e passiva, associação criminosa e fraude à licitação. Somadas, as penas podem chegar a 24 anos de reclusão.  

(Informações da PF)


Em Açailândia, MP-MA recomenda anulação de contrato da Câmara de Vereadores com escritório de advocacia


O Ministério Público do Maranhão emitiu, nessa segunda-feira (19), Recomendação ao presidente da Câmara de Vereadores de Açailândia, Feliberg Melo Sousa, para que seja anulada a contratação da empresa Amadeus Pereira da Silva Sociedade Individual de Advocacia, que foi realizada por meio de inexigibilidade de licitação.

Foi fixado prazo máximo de 10 dias úteis para que o Legislativo Municipal encaminhe à 2ª Promotoria de Justiça Especializada de Açailândia documento comprobatório do cumprimento da Recomendação, sob pena do ajuizamento das medidas judiciais cabíveis, inclusive na seara criminal, para responsabilização solidária do gestor e dos demais envolvidos nos ilícitos.

Também foi recomendado que sejam tomadas todas as providências legais para a imediata devolução ao erário municipal de quaisquer valores já pagos ao escritório advocatício em decorrência da contratação questionada, com os valores devidamente corrigidos pelo INPC ou índice similar.

De acordo com a titular da 2ª Promotoria, Glauce Lima Malheiros, no último dia 29 de março, chegou ao conhecimento do Ministério Público que a Câmara Municipal de Açailândia realizou a contratação da empresa, mediante processo de inexigibilidade de licitação (nº 001/2021), aparentemente para a prestação de serviços advocatícios. “Isso não se justifica, a princípio, diante da existência da Procuradoria da Câmara Municipal e de seus respectivos assessores jurídicos, cuja função é, justamente, a prestação de serviços advocatícios de interesse do Legislativo”, argumenta a representante do MP-MA.

Para amparar sua manifestação a promotora de Justiça citou diversas decisões do STF, STJ e do TCU, que reconheceram que a contratação direta de advogado pela Administração Pública é condicionada ao preenchimento dos requisitos da inexigibilidade de licitação, previstos na Lei 8.666/93, entre os quais a existência de procedimento administrativo formal; notória especialização profissional; natureza singular do serviço; demonstração da inadequação da prestação do serviço pelos integrantes do Poder Público.

Glauce Malheiros acrescentou, ainda, que a Lei das Licitações exige que a escolha recaia sobre profissional dotado de especialização notória, “não bastando, portanto, que goze da confiança pessoal do gestor público, sendo necessário que a sua qualificação diferenciada seja aferida por elementos objetivos, reconhecidos pelo mercado, como formação acadêmica e experiência profissional”.

Gastos a mais

Ao questionar a contratação do escritório de advocacia, a 2ª Promotoria de Justiça de Açailândia observou que a Câmara Municipal já tem um gasto mensal de R$ 25.400 com a remuneração do procurador-geral (R$ 10.700), de um assessor jurídico (R$ 9.500) e de um assistente jurídico (R$ 5.200), totalizando gastos anuais de R$ 304.800.

Pelo extrato do contrato com a empresa, única publicação encontrada sobre essa contratação, a Câmara Municipal de Açailândia teria mais um gasto anual de R$ 180.000, com serviços advocatícios.

“O fato de a entidade pública contar com quadro próprio de procuradores não obsta legalmente a contratação de advogado particular para a prestação de serviço específico, sendo necessário, contudo, que fique configurada a impossibilidade ou relevante inconveniência de que a atribuição seja exercida pela advocacia pública, dada a especificidade e relevância da matéria ou a deficiência da estrutura estatal”, observa a promotora de Justiça Glauce Malheiros.

Segundo a representante do Ministério Público, a Câmara Municipal não apresentou qualquer justificativa para a contratação da empresa, o que, somado à existência de, pelo menos, três profissionais com cargos jurídicos no Legislativo, reforça a necessidade da anulação do contrato.

(Informações do MP-MA)


Covid-19: Polícia Federal indicia suspeitos de desviarem vacinas de indígenas no Maranhão


 A Polícia Federal instaurou Inquérito Policial no dia 17 de março de 2021, para apurar a conduta de uma técnica de Enfermagem da Saúde Indígena do Polo Base de Barra do Corda (MA) que desviou doses da vacina coronavac destinada à imunização da população indígena e aplicou em três parentes.

Equipe da Polícia Federal se deslocou aos municípios de Barra do Corda (MA) e de Jenipapo dos Vieiras (MA) para a colheita dos depoimentos dos envolvidos. Na oportunidade, a técnica de Enfermagem confessou a prática delitiva, e os parentes vacinados também confirmaram o recebimento das doses da vacina.

Com o desenrolar das investigações, foi possível verificar que um enfermeiro ao qual estava subordinada a técnica de Enfermagem acompanhou a vacinação indevida de dois parentes desta, tendo, inclusive, feito os registros da vacinação irregular de um deles.

Com isso, a Polícia Federal indiciou a técnica de Enfermagem no crime de peculato (Art. 312. do CP), e o enfermeiro, no crime de peculato a título de omissão imprópria (Art. 312., c/c Art. 13., § 2º, “b” do CP), pois figurava na posição de garantidor, possuindo o poder e dever de agir para impedir a vacinação irregular, entretanto manteve-se inerte.

(Informações do Blog do Gilberto Léda)


Polícia Federal inicia Operação Predestinado para investigar irregularidades em licitação no Rio de Janeiro


 Nesta manhã (20/4), a Polícia Federal iniciou a Operação Predestinado, que visa apurar crimes de fraude em licitação e peculato. A ação contou com a participação de 30 policiais federais, para cumprimento de nove mandados de busca e apreensão, expedidos pela 8ª Vara Federal Criminal, nas cidades do Rio de Janeiro, Rio Bonito e Saquarema.

Durante as investigações, foram verificados indícios da prática de direcionamento e superfaturamento em contrato firmado entre a Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro e a empresa especializada para prestar serviços continuados de operação, manutenção preventiva, corretiva e emergencial. Também houve a apuração de indícios de irregularidades na condução do processo administrativo.

O material apreendido será periciado e servirá para aprofundar a investigação e eventualmente responsabilizar as pessoas envolvidas nas fraudes.

(Informações da PF) 


Polícia Federal investiga suposto esquema de pirâmide financeira em Roraima


 A Polícia Federal iniciou, na manhã de hoje (20/4), a Operação Loki* com o objetivo de apurar um suposto esquema de “pirâmide financeira” em atividade desde 2018 e que teria movimentado mais de 90 milhões de reais em menos de um ano.

Policiais federais cumprem cinco mandados de busca e apreensão, em Boa Vista (RR), expedidos pela 4ª Vara Federal Criminal de Roraima, após representação da Autoridade Policial e manifestação favorável do MPF.

De acordo com o que foi apurado nas investigações, uma empresa localizada em Boa Vista prometia rendimentos de até 20% mensais de valores recebidos das vítimas, justificando os ganhos por terem, supostamente, um alto desempenho no mercado financeiro. Além disso, os clientes também receberiam um percentual do “lucro” de outras pessoas que indicassem para o grupo.

Nem a empresa ou seus representantes possuiriam habilitação legal para operar no mercado de capitais e, conforme consta em inquérito policial, apenas uma pequena parte dos valores recebidos – aproximadamente 15% – seriam de fato aplicados. Os poucos investimentos feitos ainda seriam operacionalizados por meio de fundos de investimentos tradicionais, de baixo risco e retornos muito inferiores aos 20% que seriam garantidos pela empresa.

Com outros indícios, tais como a realização de saques de quantias milionárias, fracionadas de forma a dificultar a ação de órgãos de controle, a participação financeira de suspeito já investigado pela PF em crimes semelhantes no âmbito da Operação Lamanai, de 2019, bem como a forma de atuação dos envolvidos, as investigações apontam que se trataria de mais um esquema de “pirâmide financeira”.

Conforme consta nas investigações, a empresa receberia depósitos de terceiros em milhares de operações bancárias, valores que seriam repassados para os sócios e representantes da empresa.  Há evidências de que o esquema já encontraria dificuldades para realizar o pagamento aos seus clientes, indicando que começava a ruir.

Os suspeitos são investigados por crimes contra a economia popular (Art. 2º, Lei nº 1.521/1951), contra o sistema financeiro (Art. 16., Lei nº 7.492/1986), exercício irregular de cargo, profissão, atividade ou função (Art. 27-E, Lei nº 6.385/1976), além de associação criminosa (Art. 288., CP).

* O nome da operação faz alusão ao deus da Ilusão, na mitologia nórdica, em referência ao estado em que eram mantidos os clientes da empresa investigada.

(Informações da PF)


Polícia Federal combate esquema milionário de tráfico de drogas no Pará


 A Polícia Federal iniciou, hoje (20/4), a Operação Globin, decorrente de Inquérito Policial instaurado para apurar a atuação de um grupo criminoso dedicado ao tráfico internacional de drogas, no Pará. O grupo foi identificado como responsável por 380kg de cloridrato de cocaína, apreendidos pela Polícia Federal no interior de uma residência, no Distrito de Mosqueiro, em Belém (PA), no dia 17 de julho de 2019.

Cerca de 30 policiais federais deram cumprimento, em Ananindeua (PA), Benevides )PA) e Abaetetuba (PA), a seis mandados de busca e apreensão e a dois mandados de prisão preventiva, expedidos pela 3ª Vara Criminal Federal – Seção Judiciária do Estado do Pará.

Durante as investigações, observou-se que a associação criminosa fazia uso de aplicativo de criptografia de alto nível para tratar sobre atividades ilícitas, utilizando-se, também de complexo sistema de financiamento ao tráfico de drogas que movimentou mais de R$ 89 milhões.

Além da coleta de novos elementos de informações durante o cumprimento dos mandados judiciais, a Operação Globin logrou êxito no deferimento judicial de medidas de sequestro de bens móveis e imóveis avaliados, aproximadamente, em R$ 22 milhões, referentes a prédios, casa, cotas referentes a apartamentos em resorts de luxo, entre outros.

* O nome da operação refere-se a uma lenda colombiana, a qual faz alusão a um anjo que foi expulso do sono com a punição de andar pelos campos da terra, persuadindo jovens e adultos e provocando pesadelos, sonambulismo, raiva, perdimento de coisas, levando-os a vagar sem rumo. A alusão ao nome Globin está ligada diretamente aos efeitos nocivos que a cocaína causa sobre o ser humano.

(Informações da PF)


Polícia Federal inicia Operação Orca de combate à prática de crimes ambientais


 A Polícia Militar Ambiental realizou fiscalização em apoio à Agência Nacional de Mineração (ANM) em razão de informações recebidas sobre lavra ilegal no Rio Tietê, na região de Pereira Barreto (SP). As três empresas surpreendidas, nessa segunda-feira (19/4), pela PF também estavam extraindo mineral sem autorização na mesma região nessa data.

Após a fiscalização da Polícia Ambiental em julho de 2020, que confirmou a prática dos crimes de lavra ilegal, dentre outros, a ANM expediu três autos de paralisação de atividade, que foram entregues por policiais federais e recebidos por representantes das empresas nos meses de agosto e outubro de 2020. O referido auto consigna: DEVERÁ SER IMEDIATAMENTE PARALISADA E DESCONTINUADA, NÃO PODENDO HAVER MAIS EXTRAÇÃO, TAMPOUCO O CONSUMO OU COMÉRCIO DO MATERIAL OBTIDO ILEGALMENTE.

Ainda assim, as extrações ilegais continuaram até a data de ontem e só cessaram com o início da Operação Orca, que prendeu todos os envolvidos, marinheiros e proprietários das empresas, popularmente conhecidas como Portos de Areia. Equipes de peritos federais também participaram das diligências para auxiliarem na identificação das áreas exploradas ilegalmente, bem como nos equipamentos apreendidos.

Em paralelo a estas ações, a Polícia Federal também instaurou um inquérito policial no segundo semestre de 2020, para apurar os crimes em referência.

Foram apreendidas três embarcações com rebocadores e balsas, além dos equipamentos de geolocalização. Estima-se que mais de mil e quinhentas toneladas de areia foram extraídas ilegalmente, somente na data de ontem.

Todos os 14 presos estão sendo ouvidos pela autoridade policial e, posteriormente, serão encaminhados a cadeias da região de Jales (SP), onde permanecerão à disposição da Justiça Federal. A maioria dos presos reside na cidade de Araçatuba e Santo Antônio do Aracanguá )SP). Dois deles residem em Birigui e Jales (SP).  

(Informações da PF)


Município de Bom Jardim e Estado estão obrigados a garantir cirurgia de criança com hidrocefalia


 Atendendo a pedido do Ministério Público do Maranhão, a Justiça determinou, no dia 17 de abril, que o município de Bom Jardim e o Estado do Maranhão providenciem, no prazo de dois dias, a realização de cirurgia em criança de 5 anos diagnosticada com hidrocefalia congênita e forneçam medicamento essencial para a saúde do menino.

Assinou a Ação Civil Pública, com o pedido de medida liminar, o promotor de Justiça Fábio Santos de Oliveira. Proferiu a sentença o juiz Marcelo Moraes Rego de Souza.

Diagnosticada com a referida doença desde os primeiros dias de vida, a criança se encontra com a saúde comprometida, necessitando, com máxima urgência, de um leito de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) pediátrico para realização da cirurgia denominada “Derivação Ventricular para Peritôneo/Atrio/Pleura/ Raque – implante de DVE”.

A criança precisa, ainda, do uso contínuo da medicação Topiramato 50mg e da realização de angioplastia.

Os procedimentos devem ser realizados em qualquer Estabelecimento Assistencial de Saúde (EAS) da rede pública ou conveniado ao Sistema Único de Saúde (SUS), de preferência no local onde a criança já esteja aguardando atendimento. Em caso de impossibilidade de realização na rede pública, todos os procedimentos devem ser realizados na rede particular, com todas as despesas custeadas pelos demandados.

Em caso de desobediência, foi fixado pagamento de multa no valor de R$ 1 mil por dia de descumprimento, até o limite de R$ 100 mil.

Impasse

No dia 19 de fevereiro de 2020, a criança deu entrada em estado grave no Hospital Universitário da UFMA (HUUFMA), em São Luís, ocasião em que teve o atendimento ambulatorial infantil, que solicitou a realização de ressonância do crânio.

Após a realização do procedimento no mês de abril de 2020, a criança foi atendida por neurocirurgião, no HUUFMA, no dia 1º de dezembro de 2020. Na ocasião, o médico constatou o aumento da pressão craniana em razão da doença congênita do menor.

Foi solicitada a autorização para internação hospitalar para a realização do procedimento cirúrgico “Derivação Ventricular para Peritôneo/Atrio/Pleura/Raque”, de caráter eletiva, cuja data de realização estava agendada para o dia 5 de dezembro de 2020.

No entanto, desde o atendimento médico inicial e até a presente data, todos os procedimentos eletivos estão suspensos nas unidades hospitalares devido à pandemia de covid-19, razão pela qual a criança ainda não teve o atendimento médico necessário.

Sem encontrar solução, no dia 15 de abril de 2021, a mãe da criança compareceu à Promotoria de Justiça de Bom Jardim para relatar o agravamento severo da saúde do menino, o qual, em razão da pressão craniana e ausência da realização do procedimento adequado, já perdeu a visão, grita de dor, está com o perímetro cefálico aumentado, com diminuição da atividade motora, com febre e dor de cabeça intensa.

Urgência

De posse das informações, a Promotoria de Justiça de Bom Jardim conseguiu, com a ajuda do Centro de Apoio Operacional da Saúde e contato com a Secretaria de Neurocirurgia do HUUFMA, avaliação médica para a criança, nessa segunda (19).

Em razão do risco de óbito e atual estado grave da criança, foi solicitado auxílio perante a Secretaria Municipal de Saúde. Porém, não foi possível realizar o procedimento na criança no Hospital Municipal de Bom Jardim, porque este não possui leito disponível e infraestrutura para tanto.

Ante a ausência de leito de UTI pediátrico disponível, a criança foi encaminhada, no dia 17 de abril, ao Hospital Socorrão em São Luís, para implante de DVE com urgência. Contudo, até o momento, encontra-se apenas “internada” nos corredores do hospital, ante a ausência de leito de UTI pediátrico disponível.

(Informações do MP-MA)


segunda-feira, 19 de abril de 2021

Polícia Militar prende um homem e recupera motocicleta roubada em Caxias (MA)


 Nesta manhã de segunda-feira (19), por volta das 10h30, o 2º Batalhão de Polícia Militar realizou a prisão de um homem, de 19 anos de idade, suspeito de roubar uma motocicleta em Caxias (MA).

A Polícia Militar recebeu uma informação de que dois homens, em uma motocicleta e armados com uma faca, realizaram o roubo de uma motocicleta no Povoado Capão, zona rural de Caxias (MA).

Os policiais realizaram incursões e localizaram um dos suspeitos na MA-127, sentido São João do Sóter, conduzindo a motocicleta roubada, uma Honda Bros 160, cor vermelha, placa PTN-8058.

Os policiais abordaram o indivíduo e o revistaram. Com o homem, os militares apreenderam uma arma branca (faca). 

O conduzido e o material apreendido foram apresentados na Delegacia de Polícia Civil de Caxias para as providências cabíveis.

“Com esta ação, a Polícia Militar contabiliza 92 veículos recuperados na área do 2º BPM, em 2021”, afirmou o major Ricardo Almeida, comandante do 2º BPM.

(Informações da SSP-MA)


Polícia Federal inicia Operação Buriti e apreende mais de 600kg de maconha


 A Polícia Federal iniciou com apoio da PM-DF e da PM-GO, no último sábado (17/4), a Operação Buriti com o objetivo de desarticular organização criminosa responsável pelo fornecimento de grande quantidade de drogas para a região do Distrito Federal e entorno. Foram presos quatro indivíduos e apreendidos, aproximadamente, 620 quilos de maconha, 735 gramas de cocaína e cinco veículos.

Após intenso trabalho de investigação, os policiais federais identificaram quatro homens e os abordaram na região de Águas Lindas, em Goiás. Após revistarem os veículos, os policiais encontraram centenas de tabletes de maconha e um tablete de cocaína.

Os envolvidos foram encaminhados à Superintendência Regional de Polícia Federal no Distrito Federal (SR-DF) e responderão por tráfico interestadual de drogas, com pena de até 25 anos de prisão.

Esta é a maior apreensão de drogas realizada pela Polícia Federal no ano de 2021, no Distrito Federal.

(Informações da PF)


Polícia Militar prende suspeito de cometer homicídio na Ilha de Tauá-Mirim


 Policiais do 21º Batalhão de Polícia Militar prenderam, na manhã desse domingo (18), um homem suspeito de cometer homicídio no último sábado (17), durante uma discussão na Ilha de Tauá-Mirim.

Os policiais realizavam o patrulhamento na barreira da Estiva, quando receberam informações de que o suspeito estaria escondido em uma residência da região.

De pronto, os policiais se deslocaram para o local e conseguiram localizar o homem que se encontrava escondido dentro de um guarda-roupa da residência.

Diante dos fatos, o suspeito foi encaminhado à Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa para que fossem tomadas as medidas necessárias.

De acordo com informações do próprio suspeito, ele teria matado o homem com um tipo de espingarda, após uma discussão com a vítima, enquanto bebia com os amigos. O suspeito já tem passagem por furto. Já a vítima não tinha antecedentes criminais.

(Informações da SSP-MA)


Feisp realiza abordagens e apreensões em Bacabal e região


 A Força Estadual Integrada de Segurança Pública (Feisp) enfatizou as ações contra a criminalidade na região de Bacabal. Nos últimos dias, foram efetuadas prisões, apreensões de arma e de veículos, bem como intensificado o patrulhamento tático para prevenção de ilícitos em toda a região.

Nesse domingo (18), a Feisp realizou abordagens para inibição de crimes no município de Bacabal (MA), sendo apreendidas duas motocicletas com suspeitas de roubo e/ou furto, as quais foram encaminhadas para serem vistoriadas.

Nos municípios de Paulo Ramos (MA), Vitorino Freire (MA) e Olho d’Água das Cunhãs (MA) foram realizadas, no último sábado (17), as mesmas ações de policiamento preventivo, sendo conduzido um acusado por receptação e apreendida uma motocicleta com restrição por furto e/ou roubo.

Outro veículo apreendido pela Feisp e pelo 15º BPM

No fim da noite de sábado (17), a Feisp, em operação conjunta com o 15º BPM, localizou um veículo modelo HB20 nas proximidades da BR-316, no centro de Bacabal. O veículo que estava com características de abandono foi, com o apoio da PRF, levado à Delegacia Regional para adoção das medidas pertinentes.

Um suposto, condutor do veículo, compareceu e foi conduzido à Delegacia de Polícia Civil para investigações mais precisas, pois ele alegava não saber com precisão sobre quem teria alugado o veículo encontrado.

(Informações da SSP-MA)


Ações da Feisp, PC e PM cumprem mandado de prisão e apreendem duas motocicletas


 Dando prosseguimento nas ações contra a criminalidade, a Força Estadual integrada de Segurança Pública (Feisp) e as polícias Civil Militar de Bacabal lograram êxito no último sábado (17), quando deram cumprimento a um mandado de prisão contra um acusado. A prisão aconteceu no município de Bom Lugar, após um trabalho investigativo e de monitoramento.

Além da prisão, fora apreendida uma motocicleta recuperada de produto de roubo. Todas as ações aconteceram em conjunto com o Batalhão da área e da Delegacia Regional.

Em continuidade nas operações da Feisp, foram realizadas, no fim da noite de sábado, pela Polícia Militar a condução de uma suspeita que se encontrava em posse de uma motocicleta de produto de roubo. A vítima teria sido assaltada, na noite de sexta-feira (16), por um casal armado de arma branca. 

Na Delegacia Regional, a acusada não foi reconhecida pela vítima, sendo, posteriormente, liberada, e o veículo devolvido ao proprietário.

Durante o fim da noite de sábado, a Feisp, a PM e a PC realizaram abordagens de forma preventiva nos bairros Trizidela, Areia, Vila Pedro Brito, Terra do Sol, Novo Bacabal, Centro de Bacabal (MA) e, ainda, em Bom Lugar (MA). Nessas ações, foram apreendidos, em um bar, um canivete e uma cédula falsa.

(Informações da SSP-MA)